COMO PERMANECER INFELIZ PARA O RESTO DA SUA VIDA

Preparada para uma chamada de atenção para "cair na real",  como dizem no Brasil?  Dale Carnegie, um dos nossos autores favoritos disse um dia " Não é o que tem, ou quem é, ou onde está ou o que está a fazer, que o torna feliz ou infeliz. É o que pensa sobre isso". 

Não há melhor maneira de dizer que isto. Temos visto tantos amigos, conhecidos e familiares que procuram incessantemente serem felizes (ou mais felizes) trocando de empregos, cônjuges, de cidade (ou País ou Continente), procurando em todos os factores externos à sua pessoa, a culpa do seu sentimento de frustração. E como calculam... nada disso resulta. Acabam por gastar o seu tempo e dinheiro a acumular ainda mais frustrações, indecisões e sentimentos de culpa. Portanto se está nessa fase, deixe-nos ajudá-la. Abaixo algumas maneiras fabulosas de continuar infeliz e desta vez com uma lista ;) 

"Brincadeirinha", a ideia é ver se está a enquadrar-se nestes pontos e agir de forma realmente oposta:

  • Viver no Passado
  • Obcecar com o que poderá acontecer no Futuro
  • Focar-se nos problemas ao invés de se focar nas possíveis soluções 
  • Recear as mudanças e resistir a elas
  • Ser perfeccionista 
  • Não se dar valor
  • Dar-se com gente que não lhe dá valor 
  • Tentar controlar tudo ao seu redor e depois preocupar-se com o que não consegue controlar
  • Mentir-se a si própria e aos que a rodeiam
  • Fazer as mesmas coisas vezes sem conta, mesmo quando os resultados não são os que quer 
  • Estar constantemente ressentida, nunca perdoando a ninguém 
  • Querer ter sempre a última palavra
  • Ser intolerante
  • Nunca aprender coisas novas 
  • Nunca assumir a responsabilidade pelas suas acções 
  • Culpar o mundo pelas suas circunstâncias 
  • Nunca pedia direcções nem fazer perguntas 
  • Não deixar ninguém ajudá-la 

Reconhece-se em algum dos pontos? Acha que está a compensar? Pense nisso ...



Comentários

  1. Estou aí em alguns desses pontos, estooooooooou! SHAAAAAAAME!!!

    Um beijinho dourado,

    Catarina

    ResponderEliminar

Enviar um comentário