MÉTODO CONTRACETIVO DE EMERGÊNCIA

O preservativo rompeu-se?
Esqueceu-se de tomar a pilula?
Não sabe o que fazer?
Muitos são os mitos e dúvidas que as mulheres têm relativamente à contraceção de emergência.
Hoje gostaríamos de vos falar sobre contraceção de emergência, um método contracetivo que deverá ser usado em situações de risco de uma gravidez não desejada, por falha do método regular ou por relações não protegidas e assim desmistificar os mitos e as dúvidas de algumas mulheres portuguesas. O conhecimento nunca ocupa espaço e em muitos casos pode proteger-nos de uma atitude mais ... impulsiva.
Sem dúvida, o método contracetivo mais utilizado continua a ser a pílula, no entanto cerca de 22% das utilizadoras afirmam que tem esquecimentos frequentes em praticamente todos os ciclos. Uma vez que tem que ser tomada diariamente, à mesma hora, de forma a garantir a sua eficácia, o que deverá a mulher fazer caso se esqueça frequentemente de tomar a sua contraceção? 

Mas não é o único método e apesar de uma em cada quatro mulheres ficar grávida quando recorre ao coito interrompido ou ao método de calendário, muitas continuam a confiar neste método. O que fazer no caso de este método falhar?

Não esquecer os preservativos que são muito populares e de fácil acesso. São muito importantes para a prevenção de doenças de transmissão sexual, mas o preservativo apenas oferece uma contraceção eficaz quando usado corretamente. 

Segundo um estudo publicado sobre as práticas contracetivas das mulheres em Portugal, da responsabilidade da Sociedade Portuguesa de Ginecologia e da Sociedade Portuguesa de Contraceção, 88% das mulheres sexualmente ativas conhece pilula de emergência e 17% afirma já ter utilizado. Mas será que as mulheres estão esclarecidas quando deve ter tomada, com quanto tempo após a relação não protegida para que seja eficaz? Com que frequência pode ser tomada?

É importante referir que apesar da experiência acumulada e segundo a indicação da Organização Mundial da Saúde em que a toma de contraceção de emergência não apresenta qualquer impacto na fertilidade, este método de contraceção não é um método regular, mas sim de emergência, não devendo ser usado regularmente. 

Quando deve a mulher optar pelo método contracetivo de emergência: 

· Esquecimento da toma da pílula contracetiva; 
· Está insegura quanto à eficácia do coito interrompido ou ao método do calendário; 
· O seu método de contraceção habitual falhou; 
· Tem tomado outra medicação que poderá ter diminuído a eficácia da pílula que toma regularmente e está preocupada se pode ficar grávida

Efeitos secundários:

· São raros e transitórios. 
· Cefaleias
· Tonturas
· Náuseas/vómitos
· Sensibilidade mamária
· Dor pélvica


Comentários