OLHÁ SARDINHA FRESQUINHA!

O consumo da sardinha, em Portugal, faz parte da tradição, nesta altura do ano. Com a chegada dos Santos Populares, um dos símbolo da gastronomia portuguesa, ganha destaque e fama. Deixamos aqui algumas informações acerca desta iguaria que tem um papel tão importante na nossa alimentação.
Informações gerais

A sardinha é um peixe de água salgada, encontrado no Atlântico Nordeste e Mar Mediterrâneo. Usualmente, trata-se de um peixe de pequenas dimensões, que faz migrações em grandes cardumes. Reproduz-se de outubro a abril, altura em que é mais magra. É nos meses de junho a outubro que apresenta o maior teor em gordura. 
O tamanho mínimo de captura é de 11cm. 
Em Portugal, é nos meses de verão (junho, julho e agosto), que se verifica maior consumo de sardinha sendo o peixe mais popular das festas e arraiais de Verão e também a principal espécie usada na indústria conserveira portuguesa. 

Composição nutricional 

A composição nutricional da sardinha é variável consoante a espécie, podendo até existir diferenças dentro da mesma espécie. Varia também consoante a época do ano em que foi capturada. Nos meses de inverno, apresenta menor teor de gordura, por oposição aos meses de verão, em que o teor de gordura é mais elevado, motivo pelo qual as características organolépticas são mais apreciadas pelos consumidores. 


Considerada um peixe gordo, apresenta vários benefícios nutricionais: 
  • Rica em ácidos gordos ómega-3; 
  • Rica em proteínas de elevado valor biológico; 
  • Fonte de zinco, ferro e cálcio; 
  • Fonte de vitaminas D e B12; 
  • Com teor de colesterol relativamente baixo


Como comprar sardinha:

Para muitos comprar peixe é fácil ... para nós nem por isso, pelo que achámos estas dicas imprescindíveis e partilhamos convosco :) 

  • Cheiro agradável e suave a maresia. Não comprar se a sardinha apresentar um odor demasiado intenso ou amoniacal;
  • Olhos salientes, a córnea transparente e a pupila negra brilhante. Os olhos afundados, a córnea opaca e a pupila cinzenta podem significar que a sardinha não está em boas condições para consumo;
  • Pele brilhante, cor viva e homogénea e o muco aquoso e transparente. Quando a sardinha não está fresca, a pele tem tendência a ficar baça e as escamas desprendem-se com facilidade;
  • Cavidade abdominal intacta, sem as vísceras a aparecer no exterior
  • Membrana completamente aderente à carne da parede abdominal da sardinha;
  • Corpo firme e brilhante. Com a deterioração, a carne fica flácida e perde elasticidade. Para testar, poderá pressionar com os dedos e verificar se as marcas de pressão não persistem, sinal de que a sardinha é fresca;
  • Guelras vermelhas, brilhantes e sem muco. Com a perda de frescura, estas ficam acastanhadas e com muco opaco. 

Boas sardinhadas!! 




Fonte: Associação Portuguesa de Nutricionistas



Comentários