EFEITOS SECUNDÁRIOS | POR CARLA DE SOUSA PINTO

"-Isso vai embora!", disse a Dra. Joana.
Logo após o final dos meus tratamentos de Radioterapia. Ou seja… Primeira consulta após a minha “alta” médica, pós-cancro.

 Como sempre, sorria para mim e tomava as suas notas no computador. Sei que ela começa sempre as consultas cedíssimo e tem imensa paciência para me aturar presencialmente, via email, telefone, ou até por sinais de fumo 😄 .
Continuava calma e concentrada.
Imagino que há horas via doentes e ansiasse pela sua pausa… mas mantinha-se com o seu ar querido e empático, quase juvenil...

Ela observava-me com imensa atenção e cuidado… e sim… observava os pêlos que cresciam nas minhas bochechas, tufos-macios e branco puro, mas espessos como tapetes . A minha cabeça ainda estava quase careca, mas no meu rosto… centenas de fios de seda quase transparente e delicada. ODIOSOS!!!
O cabelo facial é uma das crueldades do cancro. Quase cómico. Quase choro.

A Dra Joana, a minha Oncologista foi a primeira pessoa a reconhecer em voz alta o que eu tinha escolhido ignorar ao espelho e que o meu marido teve o bom senso de não mencionar.
 “-Pode tirar com cera se quiser,"  disse. "Não há nenhuma razão médica para que não o faça."  Eu pensei, "Não!!! Eu não vou tocar nesta coisa!"

Não podia suportar a ideia de sentir as picadas da cera a queimar, tira de tecido, após tira  de tecido no meu rosto virgem e felpudinho… depois de tudo aquilo que já tinha passado…
Pensava… "Passei por procedimentos suficientes para toda a vida… não vou começar a depilar-me e logo na cara!!! BOLAS!!!”  Enquanto isso a Dra Joana Ribeiro continuava a ver as cicatrizes das cirurgias e a falar… enquanto eu tomava na minha mente a decisão convicta e bem a tempo… estávamos em Dezembro e na probabilidade, de este ano ser EU o Pai Natal lá de Casa!

A minha Mãe questionava e anotava os factos da consulta e a minha mente viajava… isto é algo que desde a quimioterapia me acontece muito! – Alheio-me simplesmente das conversas e vou com a minha mente…
Vagueio…
Talvez me juntasse ao circo. Podia rentabilizar a minha barba, ia dar um jeitão para pagar as “contas do cancro”… será que existe emprego para senhoras barbadas? Quanto tempo teria de deixar crescer mais, até me poder candidatar?

Até me sinto forte e saudável, grata por estar viva, mas também estava bastante abatida por tanto tempo a lutar para tirar o Cancro de mim…Não queria uma barba de recompensa! Queria… CABELO!!!
Não me quero sentar em consultórios médicos, em cadeiras de dentistas, ou ir à depilação!!! Fazer depilação DÓI!!! Muito mais em rostos fragilizados por tratamentos, com cabelos de bebé…
Depois de tanta luta e tanta força despendida, senti-me o sexo fraco.
Cheguei a casa, peguei na tesoura das unhas e aparei os pêlos bem rentes… Não ia ser o Pai Natal ou a Senhora Barbuda!!! Não este ano… não nunca!

Esta conversa já foi em 2015. Como tantos efeitos secundários da quimioterapia, este foi apenas mais um souvenir pós cancro… mais houve!

Como previu a minha querida Dra Joana Ribeiro “aquilo” “foi embora”!!!
  
Como a maioria das coisas que antecipamos, não foi tão mau como eu pensava que seria. E agora, quando a minha mão acaricia a minha cara, fico grata pela minha pele suave e sem tufos de pelos. Mas, realmente sinto é outro longo capítulo na minha vida a começar – Que seja muito, muito bem vindo!!!

Beijinhos a todas ❤






Carla Sousa Pinto

Página de Facebook








Créditos da imagem de capa: pixabay.com/HansiB


Comentários

  1. Fiquei com um nó na garganta e nem consigo comentar nada mais.
    Um ENORME beijão Carla.
    E... como não podia deixar de ser... um pequenino coração <3 daqueles que nós bem sabemos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário