PRIMAVERA IMPLICA ÉPOCA DE DIETAS?! NADA DISSO! | POR NUTRICIONISTA TERESA MARIANO

Primavera e Dietas? E porque não Primavera/felicidade e reeducação alimentar?
Ontem, dia 20 de Março iniciou-se a Primavera, estação do ano que se inicia no equinócio de Março e prolonga-se ate ao solstício de Junho. A par deste dia, comemora-se também, desde 2013 o Dia Internacional da felicidade.
Que relação com a alimentação poderá surgir destes dois dias?

Já certamente repararam que é uma das alturas do ano onde mais se ouve pronunciar a palavra “dieta”. Por um lado, pelo facto de as temperaturas começarem a subir e obviamente que por outro, por ser a estação que precede o Verão (em tom de brincadeira, costumo dizer que está aberta a época oficial da dieta do bikini).

Os anúncios nos canais de comunicação e as notícias em redor deste tema, começam a proliferar também nesta altura. Por vezes assiste-se mesmo a incentivos para que as pessoas adoptem medidas mais drásticas para atingirem os seus objectivos e, infelizmente muitas das notícias que se lêem não são assentes em factos cientificamente credíveis. Começa uma das alturas do ano, em que vale tudo e tudo vende. 

Por outro ponto de vista, podemos pensar que a coincidência da celebração deste dia, inicio da primavera, com o dia Internacional da felicidade, não foi um mero acaso. Para muitos é considerada uma estação “feliz”.

Será que quem opta por iniciar um processo de alteração de composição corporal nesta altura do ano, para o terminar no Verão, adopta um comportamento feliz? A minha resposta é “nim”, ou seja, nem sim nem não. Primeiro se as pessoas decidem alterar alguma coisa, é porque têm consciência que não estão bem e que podem fazer mais pela sua saúde. Não, porque não deve ser uma alteração comportamental com um fim à vista, mas sim um comportamento “ad eternum”! Muitas vezes o que assistimos são as pessoas iniciarem o vulgarmente designado por “dieta” até ao Verão e às férias grandes, mas depois nessa altura, começa a valer tudo e perdem-se rapidamente as alterações que tinham sido positivamente (ou não, tendo em conta algumas medidas adoptadas) conseguidas. 

Mas será que vale a pena? Será que é por aqui o caminho? Valerá a pena continuarmos a falar de dieta X, Y ou Z; da que restringe um grupo de alimentos só porque sim, sem bases cientificas que apoiem essa medida; da que dura x dias; etc? 

Pensando que a definição da palavra dieta, segundo o dicionário de Língua Portuguesa é: regime alimentar que satisfaz as necessidades particulares de uma pessoa; considero que tudo o que uma pessoa ingere é englobado na dieta. Ou seja, se eu passar o dia a ingerir alimentos considerados menos saudáveis, concluo que foi a dieta que escolhi para esse dia.

Mas afinal o que tem isto a ver com a Primavera e a Felicidade?

Voltando à questão no inicio colocada e sendo esta uma estação escolhida por muitas pessoas para iniciar a já referida mudança na alimentação, será que as restrições/proibições/condicionantes na área da alimentação transmitem-nos felicidade? Felicidade de gostarmos de nós, de comer, de socializar á mesa, de adquirir, preparar, confeccionar alimentos e refeições, de receber amigos e família em nossas casas…

Prefiro ver tudo isto de uma outra forma! 

Porque não aproveitamos a época do ano e a sazonalidade de alguns produtos alimentares, principalmente hortofrutícolas, para dar mais cor aos nossos pratos e alterarmos a forma como olhamos a nossa alimentação. Um prato colorido não é um prato mais feliz? Uma refeição assente em bom senso e equilíbrio não será mais tranquila, menos angustiante? Perceber que comemos todos o mesmo, não é facilitador para quem é responsável por esta tarefa de preparar as refeições para os restantes membros da família?

Factores como: as escolhas alimentares seleccionadas para si terem por base os seus alimentos preferidos ou preteridos; a sua rotina de horários diária assim como a rotina familiar; a acessibilidade a alguns alimentos; a regionalidade associada aos costumes e tradições gastronómicos da sua área de residência; são determinantes, atrevo-me a dizer fundamentais, para que todas as alterações comportamentais culminem em sucesso.

Um estilo de vida saudável faz-nos sentir felizes! Isto é óbvio! 

Um processo de reeducação alimentar elaborado com o intuito de melhorar a qualidade nutricional da nossa alimentação diária, é fulcral para o nosso bem estar. 

Este tipo de alimentação não pode nem deve ter dias contados e épocas para ser preconizado. Deve ser para toda a vida e transversal para toda a família, pode e deve ser incluída nas festas e épocas festivas que fazem parte os nossos costumes e tradições. 

O prazer de conviver à mesa, da mastigação, da confecção culinária, da aquisição de produtos frescos e sazonais, faz parte deste processo de reeducação.

Cuidar de si deve ser para sempre e não só para uma estação do ano.

Em modo de conclusão, obviamente que concordo com o inicio ou reinicio de um processo de melhoria de composição corporal e de aquisição de melhor estado nutricional, nesta altura do ano, mas espero que seja para sempre. Um processo de reeducação alimentar bem feito deixa marcas, diminui a nossa iliteracia alimentar e faz-nos olhar para os alimentos de outra forma. 

Não se castigue! A alimentação saudável tem que entrar na sua vida e não o contrário, encare tudo isto de uma forma natural. 

Seja feliz e olhe para o melhor que TODOS os alimentos lhe fornecem. 

Aproveite a Primavera e prepare-se para o Verão, mas de uma vez por todas que seja para sempre e que não seja por mais um ciclo.

A partir de agora falamos de reeducação alimentar e esquecemos a palavra dieta, pode ser?

Procure um profissional de nutrição que o ensine ou o ajude a fazer uma alimentação saudável, sem restrições e sem alimentos proibidos, mas em que o bom senso e a optimização da saúde estarão sempre presentes.







Teresa Mariano
Email: marianoteresa@gmail.com
Página de Facebook: aqui












Comentários